domingo, 24 de julho de 2011

Minha experiência em um dos últimos shows da Amy Winehouse

10 de janeiro de 2011, HSBC Arena, Rio de Janeiro. Cheguei ao show sabendo que haveria escândalos. Já esperava q o show fosse ser uma bagunça e que ela podia cair dura no meio e tudo... mas não esperava que fosse ser tão ruim.

O que salvou a noite foi o show de abertura. A Janelle Monae é MUITO boa. O instrumental e a voz... as performances... tudo executado com perfeição!

A Amy Winehouse entrou no palco com mais de 2 horas de atraso, segurando um copo com conteúdo suspeito e andando meio torta. Cantou uma música com a voz fraca e sem nenhum alcance. Além disso, esqueceu grande parte da letra. A segunda foi "Back to Black", na qual ela soltou o vozerão. Mas foi a única. Depois disso ela voltou pro palco com uma garrafa de Skol totalmente tonta. Andando meia torta, ela começou a (tentar) cantar uma música nova e a voz começou a sumir. (Como assim ela bebe algo com gás antes de cantar??? Não podia beber uma vodka, um wisky, sei lá?) Depois disso ela tentou cantar outras duas músicas lentas mas ela esquecia a letra, ficava rindo sozinha olhando pro alto, com crises de autismo ou sabe lá Deus o que mais.

Por fim ela sumiu denovo... o back vocal dela começou a cantar. Ele terminou, o instrumental começou a tocar o instrumental de Valerie. Acho q era pra ela voltar pro palco e nada aconteceu. O back vocal, que havia saído do palco, voltou e começou a apresentar a banda, e cantou outra música. Daí ela surgiu no palco esfregando o nariz e passando o dedo na gengiva. Acho q não era rinite... 



Tropeçando nos próprios pés, Amy tentou cantar Rehab, mas a voz dela não alcançava as notas. O back cantou mais que ela. Daí ela sumiu do nada e o back cantou mais uma música sozinho e do nada, falaram "Thank u Rio!" e saíram. Luzes acenderam e meus amigos começaram a comentar coisas como: "Estranho fazerem intervalo agora né?" e eu: "Eu acho q isso foi o fim do show".

Resumo: O show da Amy foi de 45min e ela cantou 6 músicas. O back cantou 4. O show dela devia ter 17 músicas. E a Janele Monae cantou por volta de 15 músicas de 8h30 até as 10h. Foi realmente a sensação da noite.

Lembro que saí do HSBC Arena brincando que tinha esperança de que, se ela morresse naquela noite, eu pudesse ao menos dizer que fui ao último show da Amy Winehouse. 



Mas a morte é algo triste. Sempre. É ainda mais lamentável ver alguém mentalmente instável, lidando com algo complexo como a FAMA e se deixando levar pelo alcoolismo e as drogas. Conheço casos de perto de pessoas que querem se livrar mas não têm condições, e acima de tudo, não têm apoio. Talvez tenha faltado um apoio para Amy se salvar... ninguém pode afirmar agora. A questão nos leva a refletir sobre a doença do vício, e como ela é corrosiva em qualquer circunstância. Minhas orações para a família e sinceros amigos e fãs da cantora.


Amy Winehouse deixou uma imensa sensação de talento desperdiçado, de potencial nunca explorado e, acima de tudo, de um exemplo a nunca ser seguido. Que a nova geração de artistas aprenda isso. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...