quinta-feira, 4 de julho de 2013

Médicos Cubanos irão ajudar? A verdade sobre a saúde pública no Brasil.



Sala de emergência de uma UPA do Rio lotada. 4 médicos plantonistas atendendo ininterruptamente. Alguns deles em plantões de 12, outros de 24 ou até 36 horas. Teoricamente deveriam ter horário de descanso, para almoço... coisas que a lei trabalhista garante a qualquer trabalhador. Mas isso fica na teoria. Na prática eles tentam atender o máximo possível, consumindo todo o período que teriam para descansar, comer, dormir ou até ir ao banheiro. E se o médico tentar sair de sua sala, depois de horas seguidas atendendo sem parar, para tentar beber água, corre o risco de pacientes na sala de espera se rebelarem. Não querem saber, médico tem que ficar ali mesmo, afinal aquilo ali é um plantão. E os médicos são robôs, e não seres humanos com as mesmas necessidades que nós, reles mortais. Mas não adianta culpar alguns cidadãos que pensam dessa forma. Estão todos ali sob pressão, todos vítimas do nosso sistema de saúde. Pacientes reféns e médicos que tentam fazer milagres.

E quando surgem casos mais graves, os médicos de emergência precisam se desdobrar para conseguir fazer mágica em ambientes não equipados e sem a devida estrutura para atender pacientes necessitados de exames neurológicos por exemplo. Muitas vezes falta, soro, água e até luz. E a administração de grandes hospitais (principalmente no Rio de Janeiro) ficam se amarrando para receber transferências de pacientes graves, afinal de contas, um óbito conta negativamente para os relatórios administrativos do hospital. O médico fica no telefone procurando vaga, circula com o paciente na ambulância, e muitas vezes briga pessoalmente com equipes administrativas que agem como se fossem autoridades da medicina superiores ao médicos, insistindo que o paciente não está tão grave assim.

O mais triste é que, mesmo passando por tudo isso, o médico precisa chegar no hospital e ainda ficar escutando insultos de pessoas que estão na sala de espera a horas dizendo que eles fazem corpo mole, são todos bandidos cafajestes que não dão a mínima para a população, só querem ganhar dinheiro. Isso magoa, fere. Isso desmotiva o profissional que se qualificou 10 anos e que ama sua profissão, e que vai diariamente dar seu sangue num sistema público falido sem a mínima infraestrutura.

Assim, os melhores médicos, os mais qualificados, esforçados e honestos, e que poderiam oferecer mais ao nosso sistema público, eles desistem. Decidem ir para hospitais privados ou abrir seus próprios consultórios. E aos poucos os únicos profissionais que permanecem no sistema público são em sua maioria recém-formados esforçados com visão utópica de mudar o sistema ou profissionais acomodados.

E qual a solução do Governo? Trazer mais médicos... de Cuba. A desculpa? Não tem médicos no interior. Nos hospitais mofados, caindo aos pedaços, sem equipamentos. Os salários, dizem as autoridades e a Rede Globo, chegam a R$30.000 e não têm candidatos. Estranho não? Talvez seja porque as prefeituras costumam pagar o primeiro salário e não pagam mais nenhum outro. Diversos médicos que se demitiram denunciaram o calote que receberam de prefeituras no interior. Se os hospitais dos grandes centros não têm nem equipes de soro e nem de limpeza regular (esses dias um hospital do Rio ficou infestado de penas de pombos e com o ar condicionado central entupido, por dias), imagina no interior. E a culpa é do médico, né? Importar profissionais subqualificados, mão de obra barata, resolverá todos os problemas, Aham Cláudia, senta lá.

Aliás, o grande problema não é a intenção do governo de importar médicos, mas a ideia de trazê-los sem nenhum tipo de exame para revalidação de seus currículos. Qualquer profissional de saúde brasileiro com intenção de trabalhar no exterior precisa passar por uma série de exames e atividades para o qualificarem para trabalhar naquele país. Por que aqui podemos abrir nossas pernas para receber os estrangeiros? Formamos anualmente profissionais qualificadíssimos, como ter certeza se os que virão também serão qualificados? Porque não aumentar as vagas de residência para os diversos recém-formados que enfrentam concursos cada vez mais concorridos? E por que não investir na nossa infraestrutura e dar melhores condições para manter nossos profissionais da casa na rede pública? Seria um trabalho mais eficiente, mas a longo prazo... e o governo quer resultado imediato para as eleições.

Sem falar que existem apenas duas Universidades de medicina em Cuba: La Habana, que forma 200 médicos por ano, e Elam- Escuela Latino Americana de Medicina, que forma 100 por ano. Portanto seriam 300 por ano. Para juntar 6 mil médicos, seriam necessários todos os médicos formados nos últimos 20 anos, que teriam de estar disponíveis para vir trabalhar no Brasil. No mínimo suspeito.

Vale lembrar também que esses 6.000 médicos cubanos que o governo pretende trazer vão custar aos cofres públicos, ou melhor, ao nosso bolso, a bagatela de U$ 792 milhões. Se considerarmos o dólar a R$ 2,00, o custo aproximado será de UM BILHÃO, QUINHENTOS E OITENTA E QUATRO MILHÕS DE REAIS, valor que poderia construir ambulatórios e hospitais nos locais menos assistidos, pois os médicos brasileiros não querem ir para os rincões mais distantes por FALTA DE CONDIÇÕES DE TRABALHO!

Falta soro, gaze, medicamentos... Mas ninguém chama o prefeito ou o secretário de saúde de delinquentes. A diferença é que eles sim são responsáveis por dezenas de mortes todos os dias! A sociedade tem dois pesos e duas medidas? Ou é mais fácil colocar a culpa no médico que está ali dando a cara a tapa diariamente?

São milhares de depoimentos revoltantes. Deixo aqui abaixo alguns depoimentos de médicos que enfrentam dificuldades diariamente nos nossos hospitais. Que eles ajudem a abrir a cabeça de brasileiros levados pela ilusão da dona Dilma de que médicos estrangeiros irão resolver nossos problemas de saúde.

Sr Padilha e Sra Dilma, esta é a minha unidade de saúde UBS Itaipuaçu Maricá-RJ. Há 6 anos governada pelo seu partido. É uma casa adaptada com infiltrações e mofo. Quando chove, chove nas salas de atendimento, o arquivo médico inunda e os prontuários....Falta de tudo, luvas, remédios básicos, mas sobra dedicação para um salário bruto de U$ 1200,00. Sabe Padilha/Dilma não falta médico que queira fazer saúde pública, isto é mais uma das mentiras de sua ditadura da informação, onde o governo se apoia na premissa "UMA MENTIRA REPETIDA MIL VEZES TORNA-SE VERDADE". A minha sala de atendimento não possui ventilador, o de teto é apenas enfeite, o verão de regiões litorâneas beira os 42 graus, a água potável é disponibilizada a temperatura ambiente (Itaipuaçu do seu governo não possui rede de água e esgoto). Já prescrevi as medicações em qq tipo de papel por falta de receituário oficial. Apesar de tudo trabalho e me esforço bastante. Maricá a saúde foi devastada pelo atual governo, o aparelho de RX está quebrado > 1 ano, o ecocardiograma e ultra-som foram roubados (SIC Gestor Público), ECG funciona 1 mês e fica 3-4 meses em manutenção. Há 8 meses temos a debandada de especialistas, devido ao salário irrisório sem beneficios legais (férias, 13, horas extras, insalubridade, etc) perdemos endocrino, cardio, reumato, oftalmo, neuro, nefro, pneumo, ortopedia, etc. Então Padilha/Dilma a saúde pública que os Srs querem oferecer a população mais humilde é esta? As suas mentiras não vão conseguir se sustentar por tanto tempo... "Não faltam médicos! Falta governo!" Sou médico do SUS, não fujo a luta... Mas não faço milagres sem infraestrutura.
Dr. Carlos Franca.

Estou precisando operar 22 pacientes com cancer de bexiga, 28 pacientes com cancer de rim, 32 pacientes com cancer de prostata que estao na FILA esperando por cirurgia....e nao tenho material para operar porque o governo nao repassou a verba ao hospital que trabalho.... sera que milhares de medicos estrangeiros vao servir de pinças, bisturis ou porta agulhas? A-B-S-U-R-D-O!!! E A DILMA QUER IMPORTAR MILHARES DE CUBANOS PARA QUE? PARECE BRINCADEIRA.
Dr. Pedro Henrique Lemos Moreira
Dilma, você não sabe o que eu já vi e vivi, não só como médica, mas como cidadã brasileira. Já tive que comprar remédio com meu dinheiro, porque a mãe da criança só tinha R$ 2,00 para comprar o pão. Por que comprei? Porque não tinha vaga no hospital para internar e eu já tinha usado todos os espaços possíveis (inclusive do corredor!) para internar os mais graves.
Você sabe o que é puxadinho?
Agora, já viu dentro de enfermaria? Pois é, eu já vi. E muitos. Sabe o que é mãe e filho dormirem na mesma maca porque simplesmente não havia espaço para sequer uma cadeira?
Já viu macas tão grudadas, mas tão grudadas, que na hora da visita médica era necessário chamar um por um para o consultório porque era impossível transitar na enfermaria?
Já trabalhei num local em que tive que autorizar que o familiar trouxesse comida (não tinha, ora bolas!) e já trabalhei em outro que lotava na hora do lanche (diga-se refresco ralo com biscoito de péssima qualidade) que era distribuído aos que aguardavam na recepção.
Já esperei 12 horas por um simples exame de sangue. Já vi paciente morrer ainda antes de conseguir uma simples ultrassonografia. Já vi luva descartável ser reciclada. Já deixei de conseguir vaga em UTI pra doente grave porque eu não tinha um exame simples que justificasse o pedido.
Já fui ambuzando (uma espécie de balão) um prematuro de 1Kg (que óbvio, a mãe não tinha feito pré natal!) por 40 Km para vê-lo morrer na porta do hospital sem poder fazer nada. Dentro da ambulância não tinha nada, nenhum equipamento para salvar ninguém...
Tem mais, calma! Já tive que escolher direta ou indiretamente quem deveria viver, e morrer...
Já ouvi muito desaforo de paciente, revoltando com tanto descaso e que na hora da raiva, desconta no médico, como eu e meus colegas, na enfermeira, na recepcionista, no segurança, mas nunca em você!!!
Já ouviu alguém dizer na tua cara: meu filho vai morrer e a culpa é tua? Não, né? E a culpa nem era minha, mas era tua, talvez. Ou do teu antecessor, o Lula. Ou do antecessor dele...
Já vi gente morrer! Óbvio, médico sempre vê gente morrendo, mas de apendicite, porque não tinha centro cirúrgico no lugar, nem ambulância pra transferir, nem vaga em outro hospital?
Agonizando, de insuficiência respiratória, porque não tinha laringoscópio, não tinha tubo, não tinha respirador?
De infecção, porque não tinha antibiótico, não tinha isolamento, não tinha UTI !!?
A gente é preparado pra ver gente morrer, mas não nessas condições!!!
Ah Dilma, você não sabe mesmo o que eu já vi! Mas deixa eu te falar uma coisa: trazer médico de Cuba, de Marte ou de qualquer outro lugar, não vai resolver nada! NADA, pois o problema é falta de estrutura, de politica séria e de vergonha na cara dos políticos enriquecidos com a dor e o sofrimento dos pobres!!!
E você sabe bem disso.
Só está tentado enrolar a gente com essa conversa fiada. É tanto descaso, tanta carência, tanto despreparo...
As pessoas adoecem pela fome, pela sede, pela falta de saneamento e educação e quando procuram os hospitais, despejam em nós todas as suas frustrações, medos, incertezas...
Mas às vezes eu não tenho luva e fio pra fazer uma sutura, o que dirá uma resposta para todo o seu sofrimento!
O problema do interior não é falta de médico. É falta de estrutura, de interesse, de vergonha na cara. Na tua cara e dessa corja que te acompanha!
Não é só salário que a gente reivindica. Eu não quero ganhar muito num lugar que tenha que fingir que faço medicina. E acho que a maioria dos médicos brasileiros também não.
Quer um conselho?
Pare de falar besteira em rede nacional e admita: já deu pra vocês!
Eu sei que na hora do desespero, a gente apela, mas vamos e convenhamos, você abusou!
Escute, se você não sabe ser "presidanta", me desculpe, mas eu sei ser médica; e por conta da incompetência de vocês, não estou conseguindo exercer minha função com o devido valor!
Dra. Fernanda Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...