quarta-feira, 27 de março de 2013

Mariah Carey: ainda sambando na cara do cenário musical


Mariah Carey emplacou mais hits em #1 e vendeu mais discos que qualquer outra cantora, mas mesmo assim ela ainda é estranhamente mal reconhecida. Hoje, mesmo com a voz visivelmente abalada, alcançando menos oitavas, Mariah Carey tem em seu currículo uma trajetória que transformou o cenário musical desde os anos 90. Porém, a grande maioria do público tem uma visão restrita de seu valor.

Afinal de contas, precisa haver motivos para a Mariah, com quase 3 décadas de carreira, continuar milionária e fazendo sucesso. Até porque, se casar com dono de gravadora fosse garantia de sucesso, Thalia seria referência mundial, né?

Além da imagem que a Mariah apresenta de diva de longas madeixas loiras, que nunca sai do salto, com suas crises de frescura, existe uma artista de feitos geniais que acaba sendo ofuscada pela persona que ela criou. Uma artista que criou as bases que foram fundamento para a grande maioria dos cantores que nasceram nos últimos anos.

Ao invés de enumerar as milhares de premiações e os recordes muito mencionados da cantora, vou mencionar alguns dos feitos da Mariah pouco reconhecidos e que influenciaram fortemente o cenário musical contemporâneo.


Cantora

Para começar, a marca registrada da Mariah, seus agudos. Junto a Whitney Houston, Mariah pode ser tida como a resposta de nossa geração para Aretha Franklin e Shirley Bassey da geração anterior, levando-se em consideração vocais fortes e performances emocionantes. Mesmo assim, em se tratando de elasticidade vocal, Mariah era capaz de deixar Whitney sem ar. Se Minnie Riperton introduziu os agudos chamados de "whistles" na música, Mariah amestrou-os e os introduziu definitivamente na música moderna. Não é a toa que sua voz virou sua marca registrada, que, de tão impressionante, no início de sua carreira suspeitaram ser truque de estúdio. Foi preciso uma live performance na MTV para provar a todos que sua voz era real, e apresentar à música pop as maravilhas que uma voz humana era capaz de fazer.





Compositora

E a Mariah Carey compositora. Você sabia que ela é a songwriter que mais emplacou hits nos Estados Unidos? E que mundialmente, ela é a terceira compositora que mais emplacou hits #1 (17), perdendo apenas para Paul McCartney (32) e John Lennon (26)? E quando falo compositora, falo daquela que vai para o estúdio com papel e caneta, e interage com todos os músicos, não daquela que paga para aparecer entre os créditos no meio de dezenas de compositores.

Suas letras são ricas, mas talvez não sejam reconhecidas porque vêm camufladas nos álbuns ou ofuscadas por melodias pop que as vezes não fazem jus ao conteúdo. É o caso por exemplo da intraduzível Heartbreaker, que possui uma das letras mais ricas e os jogos de palavra mais geniais que já ouvi em uma música pop up-tempo, fazendo rimas nada convencionais com narrativas cotidianas.

Tentar traduzir as letras da Mariah é uma tarefa quase impossível, já que sua principal riqueza é seu vocabulário rebuscado. É o caso da hilária "Up Out My Face". Além do vocabulário, Mariah consegue encaixar na melodia diversos jogos de palavra, que fogem das rimas e das estruturas clássicas de letra.

"Not even a nail technician with a whole lot of gel and acrylic can fix this when I break, I break...
If we were two Lego blocks, even the Harvard University graduating class of 2010
Couldn't put this shit back together again."


Cadê o Pulitzer, pfvr?



R&B

Além da voz, e das letras, Mariah inaugurou o R&B moderno. Já em seu primeiro álbum, completamente influenciado pelos anos 80, Mariah começou a incorporar nesse estilo pop o soft R&B, o blues, o soul e o jazz, além de um toque de Gospel. Ela foi mais bem-sucedida que outras cantoras da época que tentaram o mesmo mas acabaram rotuladas por um único gênero (Houston, Celine Dion e Sade, para citar algumas). Mariah dessa forma conseguiu agradar e dominar diversos formatos de rádio simultaneamente. Nenhuma outra cantora havia conseguido um feito assim, até o surgimento de Adele.

 



Cultura negra

Falando em inovar gêneros, Mariah foi pioneira no hip-hop. Em uma época em que negros e brancos viviam em duas dimensões musicais totalmente diferentes, em 1995 Mariah tirou o vestido preto, vestiu top e shortinho, se cercou de rappers dos mais obscuros cantos de NY e gravou a revolucionária Fantasy. A diva considerada princesa do pop desceu a rua e trouxe para o cenário mainstream diversos rappers como o lendário Ol’ Dirty Bastard. O remix de Fantasy entrou para história como a primeira parceria de uma cantora pop com um rapper a entrar nos charts.

Mariah conseguiu encontrar um meio termo entre as baladas puras de Sade e o hip-hop totalmente urbano de Mary J. Blidge. Isso trouxe um novo gás para sua carreira. Futuramente com Diddy, Missy Elliott, TLC e Jermaine Dupri, Mariah deu aos rappers mais visibilidade e mais dimensão ao gênero hip-hop. E ela fez isso de maneira natural, sem parecer uma mera pretensão comercial. Sem ela, Beyonces, Christina Aguileras e Rihannas não existiriam como elas são hoje. Arrisco-me a dizer que a categoria "Best Rap/Sung Collaboration" do Grammy também não existiria.
 






Dance Remix

E falando em remixes revolucionários, Mariah Carey também inovou ao fazer releituras de suas próprias canções no formato Dance Music. Em 1993, quando se juntou a David Morales e voltou para o estúdio para regravar o hit "Dreamlover" em Dance, Mariah se tornou a primeira artista a relançar uma música regravada em outro gênero com propósitos comerciais. Uma tendência rapidamente copiada por outros artistas. O grande diferencial é que a Mariah continuou regravando completamente as canções, com novos vocais e arranjos, enquanto outros artistas apenas enviavam as músicas para DJs remixarem.
 




Diva

Era uma vez uma época em que existiam grandes divas como Aretha Franklin, Tina Turner e Dinana Ross. Grandes vozes que celebravam a música e a emoção nas suas performances. Então Madonna surgiu e instigou uma nova juventude com novas atitudes em um novo gênero de pop. Desde então as grandes vozes foram sendo abafadas por novas "divas" sexualizadas e que chamavam mais atenção para performances acrobáticas do que para a música.

Mariah, assim como Whitney, surgiu para manter o estilo das grandes divas. O seu diferencial é que ela conseguiu inovar, como com o Hip-hop, e mesmo assim manter sua postura 'prima donna', com performances vocais de altíssimo nível. O maior exemplo disso é o álbum "Butterfly", na minha opinião o melhor de sua carreira, onde ela consegue harmonizar canções de estilo clássico como Butterfly, com canções que inauguram novos estilos de música urbana, como "Honey" e "The Roof". Um exemplo mais comtemporâneo é o álbum "The Emancipation of Mimi", com o hit "We Belong Together", que definiu o conceito moderno de diva.

 




Poder feminino

Falando em divas, Mariah sempre enalteceu o "girl power".  E, ao ingressar no hip-hop, Mariah abriu portas para diversas cantoras no mercado. Sua postura de inclusão de mulheres e negros ajudou a derrubar barreiras para essas minorias no mercado musical. Prova disso, é que a grande maioria de seus records são femininos (a cantora com mais #1s, a cantora que mais vendeu, etc.) pois o mercado antes dela era basicamente dominado por homens, em sua maioria brancos.

Mariah sempre falou de multirracialidade e do papel da mulher, e ficou famosa também por compor letras inspiracionais. Vale destacar também que ela trouxe para o cenário pop a música gospel, que ficava restrita ao gueto.







Multicultural

Muitos comparam Mariah com Whitney Houston, e colocam Whitney em posição superior. Porém, apesar de Whitney ter um legado indiscutível, Mariah sempre foi mais versátil e mais acrobática que sua "adversária". A voz da Mariah possui várias texturas e timbres, e ela utiliza isso a seu favor como nenhuma outra cantora pop. Ela consegue migrar a força de Aretha Franklin, com o timing e afinação de Ella Fitzgerald, a imponência de Barbra Streisand e a extensão vocal de Minnie Riperton.

Mariah é realmente um camaleão. E consegue adaptar sua voz ao estilo que canta, Jazz, Gospel, R&B, Soul, Pop, Dance, Soft Rock, Hip-Hop e...  Country. E muitas cantoras ainda tentam a imitar nisso, mas falham por não terem a respiração, o controle vocal, ou mesmo a versatilidade na voz.





All I Want For Christmas...

E como não falar do natal? Todo ano, em dezembro, Mariah é mais executada nas rádios que os cantores mais pop do momento. Mesmo quando nenhuma gravadora se esforça para divulgar suas músicas, as rádios tocam espontaneamente seus clássicos natalinos.

Mariah lançou o álbum Merry Christmas em 1994, e desde então se tornou a personalidade viva mais ligada às comemorações. Desde então, diversos cantores todos os anos tentam lançar álbuns de natal e criar seus próprios clássicos, mas a única canção moderna a se tornar clássico de natal foi “All I Want for Christmas is You”, da Mariah Carey. Além disso, suas regravações são tão executadas que se tornaram mais conhecidas pelos jovens que as versões originais, como é o caso de "Oh! Holy Night" e "Christmas (Baby Please Come Home)".





Esses são alguns motivos que permitiram que a Mariah, em meio a tantos altos e baixos, tivesse a carreira duradoura que ela construiu no cenário musical. Gostando ou não, é preciso reconhecer seu legado e sua importância para a música pop como conhecemos. Um brinde aos 43 anos dessa grande artista, lenda viva, que um dia terá seu talento devidamente reconhecido pelo grande público. Assim como ela é reconhecida por Aretha Franklin, que nunca perde uma oportunidade de rasgar seda para a Mariah.

De bônus, segue um vídeo de uma parceria das duas divas.

quarta-feira, 20 de março de 2013

"Oz: Mágico e Poderoso" - Um grande desperdício


Imagine toneladas de Nutella sendo misturadas a estrume de porco. É essa sensação que tive após assistir "Oz: Mágico e Poderoso". Grandes atores, uma direção artística fenomenal, trilha sonora digna do Oscar, mas um roteiro... deprimente.

Eu realmente queria gostar do filme, por ser fã do James Franco, Zack Braff, Rachel Weisz, Raimi, Disney, e do O Mágico de Oz, mas eu simplesmente não consegui engolir o roteiro. Nada no script se encaixa bem, e a história correu muito para no final chegar a lugar nenhum. A coisa toda ficou incoerente, apesar de alguns momentos e personagens serem brilhantes. Mesmo o filme tendo sido visivelmente feito para os adultos, com toda a campanha que a Disney fez, apenas as crianças irão realmente gostar.

Mas a pior coisa do roteiro para mim foi o fato dele reforçar estereótipos. Adivinhe como a bruxa má do oeste se tornou tão má? Um homem (Oz) partiu seu coração... que original. Reforçando que mulheres feias são perversas e mal-amadas, enquanto as mulheres bonitas são boas e puras. Sem falar que Eleanora, a irmã malvada, era na verdade... feia. Sua beleza era uma ilusão da mágica que ela usava, que no final foi desfeita pela bela e boa Glinda.

Isso vai contra o que foi construído no musical "Wicked" da Broadway, que na minha opinião é uma das mais perfeitas adaptações da história de Oz. "Wicked" desenvolve a personagem Theodora como uma menina verde que era "feia" para os padrões de beleza e por isso era tida como má. O musical mostra os personagens de várias dimensões e prova que não existe nada puramente bom ou mal, bonito ou feio. Uma história muito mais instrutiva para crianças e com roteiro MUITO mais inteligente e perspicaz para adultos. Talvez por isso não tenha gostado do filme, meu padrão de comparação foi muito alto. 

Eu amo a Michelle Williams (Glinda) e ela tem olhos incríveis que são perfeitos para desarmar personagens masculinos canalhas, mas eu não senti nenhuma química entre ela e James Franco (Oz). Ficou tudo muito forçado. E Mila Kunis como bruxa má parecia uma modelo maquiada de verde e um nariz torto. Mas, de longe, a bonequinha de cera e Zack Braff como o macaquinho foram os melhores personagens do filme, e protagonizaram as únicas cenas realmente brilhantes.

Uma produção que tinha tudo para ser um dos melhores filmes deste ano, mas que graças a um roteiro péssimo é um dos maiores desperdícios de Hollywood.

Abaixo o clip da música gravada por Mariah Carey para promover o filme, "Almost Home". Mais uma peça muito bem produzida da divulgação que elevou minhas expectativas para o filme.



Elenco: Mila Kunis, Michelle Williams, Rachel Weisz, James Franco, Abigail Spencer, Joey King, Zach Braff, Bill Cobbs, Martin Klebba, Ted Raimi.
Direção: Sam Raimi
Gênero: Aventura/Fantasia
Duração: 130 min.
Distribuidora: Disney

sexta-feira, 8 de março de 2013

American Idol: Conheça o TOP 10 de 2013


Na noite dessa quinta-feira foram apresentados os cantores que por votação popular formaram o TOP 10 do American Idol 12. O novo formato ficou um pouco estranho, com o resultado sendo dado em uma salinha no backstage. Porém, o resultado final é um TOP 10 (quase) excelente, que é sem dúvida um dos times mais fortes da história do programa.

Sem mais delongas, confira:

Amber Holcomb
Uma das favoritas dos jurados, que conquistou o público subtamente após uma performance de tirar o fôlego de "I Believe In You and Me" de Whitney Houston.


Angela Miller
A cantora-compositora da competição. Extremamente talentosa e brilha ainda mais quando está no piano cantando suas próprias canções.


Burnell Taylor
Cantava no metrô para conseguir o dinheiro da passagem do dia seguinte. Uma das mais bonitas histórias de vida. Uma voz intensa, linda e fez performances emocionantes. Forte candidato.


Candice Glover
Minha favorita. Ela tem uma doçura e uma força ao mesmo tempo. E quando abre a boca sua voz sempre impressiona. Cheia de técnica, mas sempre deposita muita emoção em cada nota que canta.


Curtis Finch Jr.
A diva louca da temporada. Com alma gospel, canta com muita emoção e intensidade e seus agudos são catárticos. Mas, por algum motivo, sempre fico com a sensação de que falta um pouco mais de voz, mais melismas agudos que a música gospel exige.


Devin Velez
Não é bom performer, e não é muito carismático. Mas a voz é muito boa. E merece crédito por cantar em espanhol e valorizar suas raízes.


Janelle Arthur
A mais carismática do time feminino. Faz o tipo boa-menina loira do interior. É afinada e faz performances bem educadas. O suficiente para transformá-la numa queridinha da américa.


Kree Harrison
A grande voz da temporada. Apesar de não ser muito carismática, tem presença de palco e postura de grande diva country. Além disso, é linda.


Lazaro Arbos
O 'underdog'. Gago, sofreu bullying durante toda a vida por não conseguir se expressar mas quando vai cantar... Tem um timbre muito bonito e sempre transmite muita emoção com as músicas. Foi adotado pelo público e todos querem levá-lo para casa. Potencial vencedor da temporada, talvez.


Paul Jolley
Quando foi anunciado a reação dos jurados foi de surpresa, no mau sentido. Mariah fez uma cara de quem estava sendo lambida na orelha por mendigos. Apesar de ter uma voz potente, tem problemas com afinação e não sabe se comportar no palco. Mas é bonitinho, e country. Então... .


Qual deles será o próximo American Idol?

quinta-feira, 7 de março de 2013

Você está ficando velho?


Recentemente quando amigos discutiam sobre como "Malhação" era boa a anos atrás comecei a concordar até perceber que eles estavam se referindo à "Malhação" de 5 anos atrás, qaundo na verdade eu só lembro da "Malhação" na época que ainda era uma academia... 21 ANOS ATRÁS! Então ocorreu-me que certamente... eu estou ficando velho. E aqui estão algumas outras coisas que descobri que estão provando isso.

Uma pessoa (cof, cof) pode estar ficando mais velho se:

1. Você ainda lembra de quando "Malhação" ainda se passava em uma academia. E acredita que essa foi a única temporada boa da série.

2. Ao ouvir músicas no rádio, você diz "O que raios passa pela cabeça desse artista?! Não se fazem mais cantores como Whitney, Mariah, Bon Jovi, Nick Carter..."

3. Você percebe que o melhor happy-hour é em casa!

4. Quando alguém te chama para sair e você topa, mas quando o dia chega e você pensa em se vestir e encontrar algo confortável, você começa a se sentir sonolento e sua cama começa a te chamar... e você então começa a pensar em uma desculpa para cancelar.

5. Em um jantar, você fala sobre política, impostos, crianças, emprego, suas funções corporais, sobre como é possível curar tudo que te aflige homeopaticamente...

6. Você toma remédios e suplementos suficientes para suprir uma pequena aldeia.

7. Você tira sonecas! Você gostaria de tirar uma soneca agora mesmo! Zzzzzzz...

8. Uma saída à noite termina às 22:00. Depois disso você fica mal-humorado.

9. O brinquedo de Tecnologia de ponta da sua infância era seu Tamagotchi.

10. Você prefere um bom copo de vinho em casa do que uma festa ou uma boate.

11. Se vai sair em uma noite de sexta-feira, acaba indo a um bom restaurante com os amigos, porque a música nos bares e clubes é muito alta...

12. Alguém de vinte anos parece um adolescente para você.

13. Você fala sobre os "bons velhos tempos" quando lembra de Power Rangers, Cavaleiros do Zodíaco, Topogigio e os desenhos do Clube da Criança com a Angélica ou do Show da Xuxa.

14. Sempre acaba fazendo "uma pausa de inverno" da academia.

15. No caso das mulheres, preferem estar encasacadas do que produzidas com mini-saia e salto alto no frio.

16. Percebe que seus amigos estão tendo filhos de propósito.

17. Brincava de Tazo e trocava figurinhas adesivas na Escola.

18. Assistia qualquer coisa na TVE (Glub Glub, Ra-Tim-Bum, Castelo Ra-Tim-Bum, Mundo de Beckman, Tin-Tin...)

19. Conheceu o Pirocoptero.

20. Lembra do Lucas Silva e Silva no mundo da lua e leva um susto ao saber que ele agora tem quase 40 anos.

E você? Consegue adicionar algo à lista?

segunda-feira, 4 de março de 2013

Por que Leonardo DiCaprio nunca ganhou um Oscar.

A performance elogiada de Leonardo DiCaprio em um dos filmes mais consagrados de 2012 (Django) não rendeu ao ator nenhum prêmio importante, nem mesmo nomeação. Em uma das cenas, o ator inclusive quebrou um copo com a mão e se manteve no personagem, mesmo ensanguentado, e fez a cena que é uma das mais fortes do filme em apenas um take. E mesmo assim, mais uma vez, o ator ficou de mãos abanando após a temporada de premiações.

E a lista de grandes filmes e personagens do ator é imensa: Os Infiltrados, Inception, Titanic, O Aviador, Gangues de New York... Porém, em quase todos os anos em que Leo DiCaprio esteve em um grande filme, houve ao menos uma razão para ele não ganhar um Oscar. Fazendo uma pesquisa, eu não consigo pensar em nenhum ano em que Leo realmente tenha merecido a vitória sobre os outros candidatos. Vamos rever a lista?


    Leonardo DiCaprio em Django
  1. Leo DiCaprio em "Django" não foi melhor do que Daniel Day Lewis em Lincoln.

    .
  2. Leonardo não foi indicado por “J. Edgar”. Esta talvez seja a única verdadeira injustiça pois foi, na minha opinião, o trabalho mais incrível da carreira do ator.

  3. Leo não foi nomeado por Inception. Neste ano, Colin Firth ganhou por "O Discurso do Rei". Totalmente merecido.

    .
  4. Leo DiCaprio perdeu para Forest Whitaker por "O Último Rei da Escócia", quando foi nomeado por Diamante de Sangue. Escolha fácil. Forest Whitaker excelente no filme e certamente o destaque do ano.

    .
  5. Shutter Island (Ilha do Medo) também foi lançado em 2010. Colin Firth e Discurso do Rei novamente.

    .
  6. Ele foi indicado por sua atuação em "O Aviador" e realmente acredito que ele merecia essa indicação. Porém, Jamie Foxx levou o Oscar por sua transformação na lendário Ray. Não tinha como competir.

    .
  7. Titanic. Eu não era um fã desse filme, mas certamente foi o filme do ano e a performance de Leo foi um dos destaques. E mais uma vez, o filme competiu com um grupo forte de atores. Jack Nicholson ganhou por "Melhor é Impossível", tendo outros concorrentes fortes como Dustin Hoffman por "Mera Coincidência" e Matt Damon por "Gênio Indomável". Todas as três performances mais fortes que a dele na minha humilde opinião.

    .
  8. Os Infiltrados é interessante. Mesmo não sendo um grande fã do filme, reconheço que foi muito bom. Mas acredito que Leo foi melhor em Diamante de Sangue. De qualquer maneira, ele ainda perdeu para Forest Whitaker.

    .
  9. Em "Gangues de Nova York" Daniel Day Lewis roubou a cena e recebeu toda a aclamação, embora tenha perdido para Adrien Brody em "O Pianista", o que faz todo o sentido.

    .
  10. De jeito nenhum ele iria ganhar com "Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador". Ele perdeu para Tom Hanks em Filadélfia, com performances fortíssimas como concorrência, como a de Daniel Day Lewis, Laurence Fishburne, Anthony Hopkins, e Liam Neeson. Sim, de jeito nenhum.

    .
  11. A Praia perdeu para Russel Crowe em Gladiador, e também teria perdido a Tom Hanks em Náufrago.

    .
  12. Eu realmente gostei de "Romeu e Julieta", mas, pessoalmente, não achei que Leo era destaque no filme. Ele amadureceu muito como ator desde então, graças a Deus. A verdadeira estrela do filme foi Harrold Perrineau. Ele perdeu para Geoffrey Rush em Shine.

    .
  13. "Diário de um Adolescente" foi o primeiro filme que deu status de grande ator para Leonardo DiCaprio, mas o filme recebeu algumas críticas medíocres. Mesmo assim, se fosse indicado, teria perdido para Nicolas Cage em "Despedida em Las Vegas".
    .
  14. E por último, mas não menos importante "Pegue-me Se For Capaz". Grande filme, mas o desempenho de Leo não conseguiu superar "O Pianista".

Depois da decpção de Gatsby, talvez Di Caprio tenha alguma chance com suas produções em andamento em 2016. Ou talvez ele siga nessa onda de azar até a Academia do Oscar resolver dar um "Achivement Awards" pelo legado de sua carreira.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...